Sem qualquer aviso, Caixa fecha três superintendências do banco

Sem qualquer aviso, Caixa fecha três superintendências do banco

 

Decisão prejudicará atendimento à população. Empregados e entidades se mobilizam para garantir direitos

Sem qualquer diálogo com os empregados, a Caixa comunicou nesta quinta-feira (5), o fechamento de três superintendências regionais (SRs): duas em São Paulo (Ipiranga e Pinheiros) e outra em Belo Horizonte (BH Norte). “É mais um ataque que visa desestruturar uma empresa com 158 anos de existência e diminuir seu tamanho e importância no cenário nacional. Precisamos lutar para reverter essa situação, em benefício de toda a população”, alerta o presidente da Fenae, Jair Ferreira.

Na opinião dele, os empregados devem lutar contra essa decisão, buscar seus sindicatos e denunciar se algum direito for desrespeitado. “Somente com atuação conjunta e firme poderemos garantir que essa intenção de desmonte não se concretize”, entende ele.

O coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa, Dionísio Siqueira, lembrou que essas unidades dão suporte à atuação das agências e são fundamentais para o trabalho de competição comercial do banco. “E esse anúncio é feito poucos dias antes do início do pagamento do FGTS para milhões de trabalhadores, o que sem dúvida prejudicará o atendimento à população”, afirma.

Dionísio afirmou que a CEE irá se reunir nesta sexta-feira (6) para discutir ações jurídicas e de mobilização para questionar a medida e garantir o direito dos empregados. Ele lembra que a liminar concedida pela desembargadora Maria Regina Guimarães, vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 10ª Região, à Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), determinando a suspensão dos efeitos da revogação do RH 151 pela Caixa Econômica Federal,  garante a incorporação da gratificação de função para os empregados, quando houver dispensa da função sem justo motivo, o que é o caso dos trabalhadores que poderão perder sua função em razão do fechamento das SRs. “Precisamos garantir nossos direitos e dizer não a mais um ato do governo para desmontar e enfraquecer a Caixa”, salienta.

Com informações: FENAE

 


Compartilhe!