Em mil dias, a fome só aumentou no Brasil

O governo Bolsonaro completa mil dias nesta segunda-feira (27) com a constatação de que menos da metade da população brasileira se alimenta bem. Esse é apenas um dos dramas sociais que atingem a população. A insegurança alimentar foi um dos temas tratados pela ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome no governo Dilma Rousseff, Tereza Campello, na 23ª Conferência Nacional dos Bancários e bancárias, realizada em 3 e 4 de setembro deste ano. Infelizmente o tema continua mais do que atual.

“É muito triste ver que o país que saiu do Mapa da Fome e foi referência em várias áreas tenha regredido e chegado no ponto que está. Mostramos que em 13 anos, conseguimos reverter a realidade e demos demonstração do que é possível fazer e nós queremos esse país de volta com direitos iguais para todos”, destacou a ex-ministra ao falar na conferência.

A constatação de que menos da metade da população brasileira se alimenta bem é do Relatório Luz 2021 sobre a Agenda 2030, realizado por 57 organizações não governamentais, entidades e fóruns da sociedade civil. De acordo com a Food and Agriculture Organization (FAO), organização ligada ONU, insegurança alimentar se refere ao acesso limitado de uma pessoa ou de uma família à comida.

Regressão

O Relatório Luz 2021 sobre a Agenda 2030, realizado por 57 organizações não governamentais, entidades e fóruns da sociedade civil, aponta que o Brasil regrediu no cumprimento de políticas públicas de áreas como pobreza, segurança alimentar, saúde, educação e meio ambiente. O documento indica que mais de 80% dos indicadores do governo federal estão em retrocesso, estagnados ou ameaçados.

Na Conferência Nacional dos Bancários, Tereza Campello fez o alerta para o problema da insegurança alimentar. A preocupação se avoluma em 2021, quando a insegurança alimentar grave, a fome, chega a 19 milhões de pessoas. Em 2017, eram 10,3 milhões, segundo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em um período curto de tempo, o número de brasileiros que passam fome praticamente dobrou. Com isso, o Brasil voltou ao Mapa da Pobreza com o crescimento da insegurança alimentar. A volta ao Mapa da Fome já havia sido detectada em 2017, ano da primeira edição do Relatório Luz 2021, elaborado por 106 especialistas com base em dados oficiais ou ainda em estudos e pesquisas acadêmicas.

Naturalizar a desigualdade

Para Tereza Campello, o alerta precisa ser seguido por ações para o combate à desigualdade que atinge o país. “As pessoas tendem a naturalizar a desigualdade social, dizem que conseguiram algo por conta dos méritos próprios e julgam como preguiçoso aqueles que não conseguiram algo ou não evoluíram. Nós sabemos que não é bem assim que as coisas funcionam. Se não enfrentarmos as desigualdades estruturais, o Brasil nunca terá um crescimento sustentável com inclusão e garantias para todos”, destacou a ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Passados mil dias de governo Bolsonaro, a insegurança alimentar grave só se agrava. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) divulgado na sexta-feira (24) mostram que a prévia da inflação está acelerando. Passou de ,89% em agosto para 1,14% em setembro, de acordo com dados do IBGE. A aceleração da inflação para o grupo Alimentação e Bebidas é ainda maior: 1,27%.

O combate à alta de preços, contra a carestia, é um dos eixos do Dia Nacional de Luta, em 2 de outubro, organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, junto com a CUT e outras centrais sindicais e pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. Participar dos atos em 2 de outubro, que vão acontecer em todo o país, é uma forma de não naturalizar a fome no Brasil.

Com informações Contraf-CUT


Compartilhe!